Startup colombiana está de olho no mercado de viagens do Brasil

redação - O Estado de S.Paulo

05/09/2017 | 12h32    

Apesar da crise, empresa consegue destaque por oferecer preço e conveniência

A crise que assola o Brasil é motivo de preocupação para o mercado nacional. A fragilidade econômica do país, no entanto, não espanta o investidor estrangeiro. É o caso da startup colombiana Viajala, um buscador de voos que chegou recentemente em terras brasileiras e que não se intimidou com a economia desacelerada. Líder em segmento na colômbia, e presente em outros cinco países da América Latina, o Viajala conseguiu transformar o Brasil em seu maior segundo mercado.

“Fizemos estudos de mercado e mesmo com todos os problemas e dificuldades do país, ele tem espaço (para o negócio), tem uma malha aérea, tem a cultura forte”, explica Eduardo Martins, CEO do buscador de voos no Brasil.

A startup compete em um mercado de gigantes. Não estar ligada a nenhuma grande empresa internacional torna as decisões sobre investimento mais delicadas. “O Viajalá começou na Colômbia, depois foi para o Peru, Chile, México e Argentina. Apesar de terem tamanhos diferentes, conseguimos aspirar o que foi feito nesses cinco mercados pois eles têm comportamento parecido com o brasileiro”, explica.

O comportamento brasileiro na hora de organizar uma viagem também explica o sucesso do negócio. Em 2016, 51% das passagens aéreas foram reservadas online. De acordo com Martins, um dos motivos para o sucesso do Viajala no Brasil está relacionado com a cultura do mercado no país. “Aqui, o mercado favorece as viagens e vende a conveniência, tem a maior população de blogueiros, tem curadoria especializada. Um adulto pode muito bem montar o seu roteiro sozinho. Ele tem autonomia. E, diferente de outros países, o brasileiro vai atrás de preço”, explica Martins.

A procura por destinos nacionais ou regiões que fiquem mais perto, assim como o fortalecimento das parcerias do Viajalá  para oferecer preços competitivos, estão garantindo um crescimento acima do esperado. “Nossa meta é chegar a 1 milhão de visitas por mês”, finaliza.