Plataforma informa e cria ferramentas para cuidadores

Letícia Ginak - O Estado de S.Paulo

30/05/2018 | 05h04    

Plug and Care oferece conteúdo e e-commerce para pessoas que administram cuidados com idosos

Monica Perracini, uma das fundadoras da plataforma Plug and Care. Foto: Cláudio Rossi/Divulgação

Monica Perracini, uma das fundadoras da plataforma Plug and Care. Foto: Cláudio Rossi/Divulgação Foto: Cláudio Rossi

Com o foco na família do idoso e mais de 30 anos de experiência em estudos sobre envelhecimento, a PhD em ciências da reabilitação Monica Perracini e outros três sócios fundaram a Plug and Care, plataforma voltada para os cuidadores familiares de idosos, que são, geralmente, membros da família responsáveis por cuidar de uma pessoa acima dos 60 anos com algumas limitações de saúde. 

“Identificamos em uma pesquisa de mercado que essas pessoas tinham grande necessidade por informação. Isso porque, muitas vezes, a realidade de cuidar de um ente querido acontece de forma repentina. Então o membro da família se vê perdido nessa missão. Nem sempre o médico tem tempo para detalhar o que está acontecendo”, explica Monica. 

A Plug and Care oferece aos usuários conteúdos informativos sobre alimentação, mobilidade, saúde e finanças, entre outros. A plataforma também conta com um marketplace, principal receita do projeto, com produtos relacionados ao universo do envelhecimento, divididos em duas categorias de busca: direta pelo produto ou por alguma necessidade detectada.

“Caso o cuidador perceba que o idoso está com dificuldades para andar, por exemplo, ele pode colocar isso na busca e aparecerá uma seleção de produtos relacionados ao tema, com descritivos informativos. Estamos diferenciando a forma de cuidar porque queremos que ele compre já sabendo como usar”, destaca. 

O cuidador também conta com uma área exclusiva no e-commerce, com produtos voltados especialmente para o bem-estar desse público. “Oferecemos pacotes de relaxamento e massagem, por exemplo. Pensamos nisso para fazer com que o cuidador também se sinta acolhido”, completa Monica. 

:: Longevidade traz inovação a serviços ::

:: Mobilidade e turismo são áreas promissoras ::

Próximos passos. Mentorados pela Ativen, aceleradora brasileira de startups que tem como público-alvo negócios para a terceira idade, a Plug and Care se prepara para a segunda fase do projeto. 

“Elaboramos um aplicativo que terá outras funcionalidades, com o foco na questão do cuidado. A previsão de lançamento é para o final do mês de junho”, revela Monica. 

O aplicativo contará com a função de criar uma rede própria e particular administrada pelo cuidador principal. Nela, será possível monitorar desde horários para medicações até medição da pressão arterial, com a possibilidade de compartilhar exames e informações com os outros membros participantes da rede. 

“O aplicativo emitirá alertas se o idoso tomou ou não a medicação, ou se a mesma está acabando, por exemplo. Assim, essa família estará mais conectada, somando esforços em vez de ficar sempre centralizando o cuidado em uma única pessoa, o que causa sobrecarga.”

:: Startup reúne vagas para 'cinquentões' ::

Para a fundadora, o projeto dá voz a um tema pouco explorado. “Tem se falado muito sobre a longevidade ativa. Mas, com o envelhecimento, surgem alguns problemas que a gente ainda nega. Uma parcela desses idosos não vai envelhecer bem e vai precisar de produtos e serviços específicos”, pontua. 

Siga o Estadão PME nas redes sociais:

Instagram: @estadaopme

Twitter: @estadaopme

​Facebook: estadaopme