Pequenos negócios são responsáveis por metade do peixe produzido no país

Redação - O Estado de S.Paulo

12/09/2017 | 09h36    

Até o dia 15 de setembro acontece a Semana Nacional do Peixe para aumentar o consumo do produto no Brasil

O brasileiro está tendo a oportunidade, ao longo de toda a primeira quinzena de setembro, de comprar peixe ou consumir pratos produzidos à base do produto com melhores preços, além de conhecer as vantagens nutricionais desse tipo de alimento. Acontece em todo o país, até o dia 15 de setembro, uma campanha que já se firmou no calendário nacional e se estabeleceu como um dos três mais importantes períodos de venda de peixe no Brasil. Os donos de pequenos negócios vêm aumentando a participação neste mercado há quatro anos e hoje são responsáveis por cerca de metade de todo o peixe produzido no país. Esses produtores respondem por aproximadamente 640 mil toneladas de peixe e movimentam cerca de R$ 4 bilhões por ano.  

O Sebrae  está participando das mobilizações em torno da Semana Nacional do Peixe, juntamente com o Comitê da Cadeia Produtiva da Pesca e Aquicultura (Compesca), para estimular o aumento do consumo do produto no país. Nos últimos quatro anos, quando se intensificou a participação das pequenas empresas no segmento da Aquicultura e pesca, o Sebrae atendeu 6.800 empreendedores do meio rural do segmento da piscicultura em programas e consultorias, com investimento de cerca de R$ 31 milhões. 

Nos últimos anos, a aquicultura brasileira tem experimentado constantes transformações, consolidando-se como uma das principais atividades do agronegócio brasileiro e, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e de outros órgãos do governo federal, a produção nacional de pescado em 2014 foi de 1.326.726 toneladas, sendo que, desse total, 765.287 toneladas foram de origem da pesca, representando 57,68%; e 561.439 toneladas advindos da aquicultura, 42,31%. 

A tilápia é a variedade de peixe mais produzida no país e onde os pequenos negócios mais têm se destacado. O estado do Paraná é atualmente o maior produtor brasileiro e é onde se verifica uma forte atuação de cooperativas que têm conseguido levar sua produção para todo o país. Somente nas cidades de Toledo e Cascavel (na região oeste do Paraná) existem 22 frigoríficos de peixes de cultivo.  

Tecnologia. A importância da tecnologia da informação no agronegócio já foi comprovada em pesquisa recente do Sebrae, que ouviu mais de 4.460 produtores rurais: quase a totalidade (96%) usa telefones celulares e uma quantidade significativa utiliza smartphones para acessar a internet. Um total de 71% dos donos de microempresas rurais e 85% dos proprietários de empresas de pequeno porte no campo usam celulares para acessar a web, o que facilita também o desenvolvimento de seus negócios. 

No âmbito da gestão, o esforço  tem sido o de promover a transferência de tecnologia que permita aos donos de pequenas pisciculturas – em um cenário de crise hídrica – produzirem mais com menos água e com sustentabilidade. Já quanto às práticas sustentáveis, a instituição atua na orientação do licenciamento ambiental, já que para grande maioria dos aquicultores, a regularização ambiental é um gargalo na produção. Nos últimos anos o Sebrae desenvolveu, em parceria com entidades estratégicas, como a Embrapa Pesca e Aquicultura, soluções para o segmento no âmbito nacional e a produção de material técnico sobre como comprar, armazenar e preparar peixes nativos do Brasil.