Na crise, a oportunidade que faz a diferença

Gabriel Navajas - ESPECIAL PARA O ESTADO

05/10/2018 | 06h00    

Zimerman (Petz) e Viegas (Moldura Minuto) contam como souberam aproveitar a dificuldade do País para crescer

Encontro com CEO's, Segio Zimerman (Petz) no Encontro Pró-PME. Foto: Rafael Arbex /ESTADAO

Encontro com CEO's, Segio Zimerman (Petz) no Encontro Pró-PME. Foto: Rafael Arbex /ESTADAO Foto: Rafael Arbex /ESTADAO

Inovar e empreender em meio à crise vivida pelo Brasil é um risco maior do que em períodos sem turbulência, mas nem sempre é sinal de fracasso. Aproveitar e enxergar as oportunidades que uma situação desfavorável proporciona são fundamentais para botar os negócios no caminho do sucesso. Em meio à instabilidade econômica do País, alguns dos empresários mais bem sucedidos do mercado brasileiro conseguiram encontrar soluções que alavancaram ainda mais suas companhias e falaram sobre isso no Encontro Pró-PME.

Sérgio Zimerman, presidente da Petz, uma das gigantes brasileiras do setor de pets, soube lidar muito bem com a crise econômica. Conseguiu, depois de realizar uma análise do mercado, imóveis muito mais em conta para abrir lojas do que em outras épocas. “A crise atual foi fundamental para a expansão dos negócios. Nós pegamos grandes pontos de concessionárias que tiveram de fechar as suas portas”, conta Zimerman. Atualmente, a empresa tem 71 unidades no Brasil e conta com cerca de 2,6 mil funcionários.

Antônio Carlos Viegas, presidente da Moldura Minuto, franquia que trabalha com emolduramento customizado, não demorou a encontrar uma saída quando as vendas caíram. Ele notou que a demanda sofreu uma queda em meados de 2014. Foi então que decidiu inovar. “Reparei que estavam emoldurando menos. Precisávamos encontrar uma solução. Abri uma empresa paralela que geraria demanda para emoldurar”, lembra o empresário.

Foi criada a Art Shot. O objetivo era oferecer fotos que despertassem o interesse do público. Em parceria com fotógrafos, Viegas passou a vender imagens que chamavam muito a atenção dos clientes. “Era um conceito de oferecer fotografia. Lançamos um acervo de 5 mil imagens, todas exclusivas”, afirma o presidente da empresa. “Criamos uma disrupção. As pessoas passaram a emoldurar as fotos, como uma arte. Aumentamos o faturamento com isso”, explica.

“Todas as crises foram benéficas para a gente. Os maiores investimentos ocorreram justamente nos últimos dois anos”, comemora Viegas. No entanto, ele alerta para algumas medidas que precisam ser tomadas, independentemente de crise econômica: estratégia de negócios e gestão de pessoas. “São alguns dos segredos para dar certo.”

Ver-se no lugar do cliente foi um dos caminhos escolhidos pela Geekie, plataforma de educação online que ajuda estudantes brasileiros, por meio de uma estratégia de ensino individualizado. De acordo com Eduardo Zanini, vice-presidente da área de Customer Success da startup, se ver como o usuário é uma das estratégias para alavancar o negócio e saber o que é necessário melhorar para inovar. “É preciso ter essa empatia profunda. Às vezes, eu fico mais na escola que os professores”, conta Zanini. “Por isso, decidi ser professor e dou aula de Filosofia. Consigo me identificar com eles. Caso contrário, a solução pode ser simplista e superficial. A inovação acontece no dia a dia.”

Encontro com CEO's Antonio C.Viegas (Moldura Minuto) no Encontro Pró-PME. Foto: Rafael Arbex /ESTADAO

Encontro com CEO's Antonio C.Viegas (Moldura Minuto) no Encontro Pró-PME. Foto: Rafael Arbex /ESTADAO Foto: Rafael Arbex /ESTADAO